23 de maio de 2012

....

Escrevo e Escrevo, sem nada reflectir
Neste ausência de presença de estar
Não quero falar, tão pouco deixar-me ir
Neste momento tão meu sem nada a partilhar

Falam comigo mas nada me dizem
Tudo o que quero é poder calar
Quando acedo ouvir, deixo que enraizem
Num espaço meu, duro de sarar

Penso muito numa clareza vã
Em momentos quebrados lá fora
...E espectante admiro nova aurora
Que mais que confidente se tornou guardiã

Com mazelas vivo a verdade
De quem te vê em sofrimento
Sem te conseguir alcançar com arte
De te ensinar o meu contratempo

Nem tudo rema a favor da maré
Nem sempre fazemos o mais acertado
Mas acredito poder viver com a fé
De alcançar o mais desejado!




1 comentário:

O Profeta disse...

És imensa no sentir...


Doce beijo